A Misteriosa Rádio de Ondas Curtas UVB- 76

A UVB-76 (também chamada como UZB-76 ou MDZhB) é uma estação de rádio de ondas curtas que transmite uma frequência 4.625 kHz. Conhecida entre os ouvintes de rádio ocidentais como The Buzzer, ela possui um pequeno e monótono sinal, repetindo-se a uma taxa aproximada de 25 tons por minuto, durante 24 horas por dia. A estação tem sido observada desde 1982 e de forma eventual, o sinal de alarme é interrompido por uma transmissão de voz em russo, deixando tudo mais misterioso.O som transmitido dura em torno de 0,8 segundo, pausando por 1-1,3 segundos, repetindo incessantemente, lembrando um chiado igual ao de rádio acompanhado de um rápido barulho de um navio.
Esta estação é transmitida pelo menos desde 1982 com o repetitivo sinal de “pip” de dois segundos, mudando para uma campainha no início de 1990. Ela foi alterada brevemente para um tom mais alto e de maior duração (cerca de 20 tons por minuto) em 16 de janeiro de 2003, embora este som tenha sido revertido para o padrão de tom anterior.
Não se sabe ao certo o que as mensagens em russo querem dizer, nem o real motivo dos sinais sonoros e números, que já duram por algumas décadas, desde o tempo da União Soviética. Com o passar do tempo, milhares pessoas tentam desvendar o mistério dessa rádio russa de onda curtas. Há muita dúvida e especulação sobre a natureza e razão de existir a rádio, porém permanece desconhecido o real objetivo desta estação.
Atualmente milhares de pessoas escutam a UVB-76.  Pode parecer meio bizarro que pessoas de todo o mundo, de diversas idades e profissões fiquem horas com fone no ouvido escutando essa estação, mas isso acontece. Tenha certeza que neste momento, diversas pessoas do globo estão acompanhando a misteriosa rádio russa.
Durante duas décadas os ouvintes de ondas curtas apenas acompanhavam a rádio, porém começaram a surgir publicações do tipo fanzines e pequenos grupos de trocas de informações a respeito. Quando a internet surgiu, a troca de infomações sobre diversos temas foi muito facilitada,  a UVB-76 ganhou destaque. Diversos grupos surgiram para estudar o intrigante mistério.
Após um longo tempo de pesquisa, alguns grupos de investigação amadora da UVB-76 descobriram que o sinal estavam emanando de  uma pequena cidade militar chamada Gorodok Voyenn, próxima da aldeia de Povarovo e, muito raramente, talvez uma vez a cada poucas semanas, a monotonia era quebrada por uma voz masculina recitando breves sequências de números e palavras, muitas vezes sequências de nomes russos: “Anna, Nikolai, Ivan, Tatyana, Roman…”
Certamente esses nomes formam um código, porém o significado permanece uma incógnita.

Por um longo período sua transmissão pareceu homogênea, mas um dia a amplitude e a afinação do zumbido mudou, os intervalos entre os tons que oscilam. A cada hora,  a estação apitava duas vezes, rapidamente. Continuou até o fatídico dia  05 de junho de 2010, quando subitamente, o zumbido cessou. Não houve informes e nem explicações, apenas o silêncio.
No dia 06 de junho a transmissão retornou como se nada tivesse acontecido. Durante os meses de junho e julho a UVB-76 se comportou praticamente como sempre. Houveram algumas perturbações, incluindo rápidos fragmentos que soavam como código Morse, mas nada dramático. Em meados de agosto, o zumbido parou novamente, voltou e parou de novo, e então recomeçou.
Em seguida, no dia 25 de agosto, às 10:13 no horário de Moscou, a UVB-76 apresentou outras anomalias. Houve um silêncio, depois de uma série de golpes e ruídos estranhos, deixando seus ouvintes assustados, pois o som parecia vir de uma sala. Só então foi percebido que a campainha não era um som automático sendo transmitido, na realidade era um dispositivo que gerava o ruído de forma “ao vivo” numa sala de transmissão. Nesta data era como se alguém estivesse na suposta sala. Acreditou-se que o mistério estava prestes a ser revelado. Quem seria o misterioso operador da rádio russa? Mas não foi bem isso o que aconteceu.
Na primeira semana de setembro a transmissão foi interrompida frequentemente, geralmente com o que parecia ser trechos gravados da “Dança dos Pequenos Cisnes” da peça musical de Tchaikovsky “O lago dos cisnes”. Na noite de 7 de setembro, algo mais dramático, as 08:48 pelo horário de Moscou, uma voz masculina emitido um novo sinal disse:

“Mikhail, Dmitri, Zhenya, Boris”

Isso pareceu indicar que agora a estação estava mudando de nome para MDZhB. Isto foi seguido por uma sequência de mensagens nebulosas típicas da UVB-76:
– “04 DRENDOUT 979”-  seguido por um período de séries de números, e então – “TRENERSKIY” e ainda mais números.
Isso causou certo frisson aos que seguiam a rádio através das noites, e não eram poucos! Uma versão captada em ondas curtas e retransmitida em tempo real para a internet, em agosto de 2010 tinham mais de 41 mil pessoas acompanhando. Atualmente são dezenas de milhares.

Com o tempo passando o mistério só aumentou. Entre tantos mistérios envolvidos nessa rádio, um dos que talvez possa  ser o maior é: Qual o motivo?  Se são mensagens cifradas, qual a razão de usar um método tão arcaico quanto as ondas curtas, que viajam pela ionosfera e precisam de quantidades gigantescas de energia? Fica caríssimo manter isso, ainda mais por mais de três décadas! Uma transmissão militar por um satélite geoestacionário seria uma opção menos custosa e mais fácil.
Fala-se que cerca de 30 anos atrás, os soviéticos construíram uma estação de rádio de ondas curtas próximo a Povarovo, um lugarejo que fica a 40 minutos de carro a noroeste de Moscou. Nesta época, Leonid Brejnev ainda estava vivo e o Kremlin presidia um império intercontinental, as tropas soviéticas estavam lutando contra os Mujahidins no Afeganistão. Com o colapso da União Soviética em 1991, foi revelado que toda Povarovo era controlada pelos militares, e que tudo o que acontecia lá era ultra secreto
Por ser ultra secreto, talvez explique porque até hoje o governo se nega a reconhecer a existência da rádio e afirma que “não tem nada a ver com essa transmissão”.

Lógico que os aficionados pelos mistérios dessas transmissões levantaram diversas hipóteses sobre o papel da estação na gigantesca rede militar de comunicações da Rússia:
– Foi algo esquecido, criado para servir alguma função agora perdida nas profundezas da burocracia.
– Foi um sinal  ultra secreto, que transmitia mensagens para espiões russos em países estrangeiros.
– A UVB-76 serviu de nada menos do que o epicentro da “máquina do Juízo Final”, também chamada de ” arma do soldado morto” ou “arma  da mão morta” da extinta União Soviética, que tinha sido programado para lançar uma onda automática de mísseis nucleares para os EUA no caso de o Kremlin ser arrasado por um ataque furtivo dos EUA. Se isso ocorresse a estação sairia do ar, e os mísseis seriam disparados decretando uma catástrofe mundial.
– Umas das teoria mais curiosas diz que a UVB-76 pode ser uma rádio “fantasma”. Como se fosse uma transmissão de um outro mundo. Num dos raríssimos momentos em que ela ficou fora do ar, um homem  em russo transmitiu coordenadas. As coordenadas levaram a uma estação de transmissão abandonada. Porém essa teoria embora bem alegórica, caiu por terra com novas descobertas posteriores.
Uma das teorias menos prováveis, é que a campainha estava testando a espessura da ionosfera. (esta é a menos provável porque especialistas em radiofrequência dizem que a faixa de rádio e a potência são insuficientes para qualquer medição)Muitos dos pesquisadores e entusiastas acreditam que UVB-76 é um exemplo do que é chamado de uma estação de números, usado para comunicar mensagens criptografadas para espiões ou outros tipos agentes. Geralmente estas estações transmitem números em grupos de cinco, o que torna impossível detectar partições entre palavras e frases. Os números podem ser decifrados utilizando uma chave de posse do ouvinte pretendido.
É sabido que as estações de números existem desde a Segunda Guerra Mundial, como documentado pelo Projeto Conet, uma compilação de gravações que foi lançada pela primeira vez em 1997. Existem algumas russas,  norte-coreanas, norte-americanas, cubanas e também britânicas.
Pesquisadores amadores de ondas curtas suspeitam que o  MI6, serviço secreto britânico, estava por trás da mais famosa estação de números no planeta, a tão reverenciada Lincolnshire Hunter.Um grupo online que se autodenomina Enigma 2000, coleta dados sobre números de estações de todo o mundo. Jochen Schäfer, que dirige a filial alemã do grupo, acredita que a UVB-76 não é nenhuma estação de números típica, mas certamente é uma delas.Normalmente, diz ele, as estações iniciam suas transmissões com um sinal de chamada para, em seguida, passar a uma introdução própria. A Lincolnshire Hunter,  por exemplo, tem o seu apelido, porque cada transmissão começava com os dois primeiros compassos da popular canção Inglesa com o mesmo nome, antes de começar a transmitir os números. Já a UVB-76  é diferente por causa de sua estrutura. Na maioria das vezes, não é apenas a campainha irritante e repetitiva. As mensagens vêm em horários irregulares, e isso é muito estranho.Contudo, foi este formato anômalo que levou alguns pesquisadores da UVB-76 a sugerir que ela não é só uma estação de números, mas algo mais.

Um ex-funcionário do alto escalão europeu e investigador de longa data do bloqueio soviético às estações de rádio ocidentais, conhecido apenas por “JM”, afirma que o propósito da campainha é transmitir ordens codificadas para as unidades militares na Rússia e não para espiões fora de suas fronteiras. JM observa que a maioria do que foi reunido sobre a estação indica que a sua frequência é de 4625 kHz, e seu principal transmissor é de 20 quilowatts. O transmissor de backup é de 5 quilowatts e sua antena dipolo, no sentido horizontal,  aponta para convencional uso militar.
Bryan Tabares, um engenheiro de produção de 21 anos de idade, de Jacksonville, na Flórida, concorda e propõe uma teoria ainda mais inócua para explicar as perturbações de 2010, ele acredita que foi apenas “ruído rosa”, fabricado por engenheiros de som para calibrar os equipamentos de áudio.Boender, um pesquisador da rádio e consultor financeiro de Roterdam, diz que agora está confiante de que a UVB-76 é 100% controlada pelos militares russos.Esta conclusão é baseada na sua análise dos conhecidos postos militares russos:

“Descobrimos uma rede russa no início dos anos 90, mas levou dois anos de pesquisa para realmente descobrimos quem eles eram. Parecia ser uma rede de embaixadas soviéticas, consulados, ministérios, e provavelmente também a KGB e a Spetsnaz. Um número de pessoas em todo o mundo escutava e trocamos mensagens, gravações e analisamos o material até que finalmente descobrimos quem eles realmente eram. Isso é o que torna tudo mais divertido.

Uma nova intriga sobre a  UVB-76 ou MDZhB é a questão da sua localização. Logo após os levantes de agosto e setembro de 2010, com toda a parada e partida e as batidas e sussurros na suposta “sala”, os  ouvintes relataram outra mudança notável: a posição da estação parecia ter movido no dial. JM desde então, ajudou a traçar a sua localização aproximada para perto da cidade de Pskov, próximo da fronteira entre a Rússia, Estônia e Letônia. Mas ninguém foi capaz de triangular exatamente o local de onde a transmissão está vindo.
Ary Boender teoriza que a mudança estava relacionada a uma reorganização militar russa, que aconteceu em setembro daquele ano, quando os distritos militares de Moscou e Leningrado foram fundidos para formar um novo centro de comando em São Petersburgo. Supostamente, isso explicaria porque a  UVB-76, também mudou seu sinal para centenas de quilômetros a noroeste.
Atualmente a pequena cidade militar em Povarovo, local de origem das transmissões da UVB-76 durante décadas está praticamente abandonada.
A região é uma tapeçaria cinza-marrom de edifícios de apartamentos comunistas, poucas obras construídas recentemente e plantações de pepinos. Perto de Voyenni Gorodok, há portas lacradas e as paredes ostentam sinais militares, mas não há guardas ou cercas eletrificadas e a maioria das portas não estão trancadas.

O que permanece até hoje é um grande mistério, e que estação UVB-76 ainda existe. De todas as mudanças que marcaram a Rússia na última década,  passando pela Guerra Fria,  as primeiras décadas do pós Guerra Fria, Gorbachev, Perestroika , o fim da guerra no Afeganistão, implosão soviética, o período Boris Yeltsin, o bombardeio do parlamento, a primeira guerra da Chechênia, os oligarcas, crise financeira, a segunda guerra da Chechênia, ascensão do Puttinismo… Tudo isso passou, o país sofreu profundas transformações em diversos níveis, mas a UVB-76 permaneceu uma perturbadora constante, sem maiores alterações, para espanto do insondável grupo de entusiastas de rádios de ondas curtas que sintonizaram e vem documentando quase todos os sinais que são transmitidos. Embora a campainha sempre foi uma incógnita, foi também uma constante reconfortante, zumbindo com um obscuro, metrônomo através das décadas.

Nos tempos atuais, escutar a UVB-76 é como ouvir um mundo que já não existe há décadas, o que nos dá um sabor de Guerra Fria.

Para ouvir a UVB-76 em tempo real acesse: websdr.ewi.utwente.nl:8901 
Quando entrar, escolha html5 e quando o painel de opções abrir, coloque no dial 4625 kHz e escolha no modo de banda USB

Anúncios
Esse post foi publicado em Onzemetrista, Radioamadorismo e marcado . Guardar link permanente.