Dom Luiz Felipe de Nadal

Dom Luiz Felipe de Nadal

  Foi ordenado sacerdote no dia 22 de outubro de 1939, pelo então Arcebispo de Porto Alegre, Dom João Becker e nomeado bispo dezesseis anos depois. Sua ordenação episcopal aconteceu no dia 29 de junho de 1955, escolhendo o lema: “Oboediens In Laetitia”. Foi sagrante Dom Vicente Scherer, Arcebispo Metropolitano de Porto Alegre e como bispos co-sagrantes, Dom Cláudio Colling, Bispo de Passo Fundo e Dom Antônio Zattera, Bispo de Pelotas. Foram paraninfos o Sr. Dr. Liberato Salzano Vieira da Cunha, Secretário de Estado de Educação e Cultura e o Sr. Luiz Polônia, cunhado do sagrando. Tomou posse na Diocese de Uruguaiana-RS no dia 15 de agosto do mesmo ano, da qual foi o 3º Bispo. A solenidade da posse canônica de Dom Luiz Felipe De Nadal foi realizada pelo Sr. Arcebispo Metropolitano de Porto Alegre Dom Vicente Scherer, na Catedral de Uruguaiana.

Natural de Guaporé-RS, Linha 4a. Série, na época distrito de Muçum, hoje Linha Dom Luiz Felipe, nasceu no dia 1º de maio de 1916, filho de Francisco De Nadal e Tereza Dendena De Nadal, era o primogênito dos 13 irmãos. Entrou no Seminário de São Leopoldo, em 1927, com 11 anos de idade, onde fez seus estudos de humanidade, filosofia e teologia.

Faleceu com 47 anos de idade, 23 de sacerdócio e 8 de episcopado, em 1º de julho de 1963, num acidente aéreo, quando o DC 3 da VARIG, prefixo PP-VBV, caiu no 1º Distrito de São João da Bela Vista, a 7,5 km de Passo Fundo-RS, por volta das 18:10 horas. Até cêrca da meia-noite o corpo de Dom Luiz foi velado na Catedral Diocesana de Passo Fundo e transportado depois, via terrestre, para Uruguaiana, onde chegou pelas 18 horas de 2 de julho, passando a ser velado em sua própria catedral. No dia 3, de manhã, as solenidades de sepultamento tiveram a assistência de todos os senhores bispos do Rio Grande do Sul, com exceção do senhor bispo de Frederico Westphalen, impossibilitado de comparecer. A missa exequial, rezada pelo Arcebispo Metropolitano, bem como a solene encomendação, realizou-se em altar armado na frente da catedral, para onde também fora levado o corpo.

O rádio era sua grande paixão. Foi radioamador ativo indicativo PY3ATR , em Porto Alegre, ainda padre, criou e dirigiu vários programas na Rádio Difusora, como “Tio Valeriano”, programa infantil, “Noturno da Fé”, “Hora do Angelus” e “A Hora Católica” que informava tudo sobre a Igreja. Em Uruguaiana fundou a Rádio São Miguel, emissora da Diocese. Transmitiu diretamente do Vaticano as cerimônias de coroação do Papa João XXIII, fato inédito para a época. Grande incentivador dos meios de comunicação social, também fundou a Sociedade Magistério no Ar – Somar, programa pioneiro de alfabetização de adultos.

Era poeta tradicionalista, autor de várias poesias e orações com termos gauchescos, membro do Movimento Tradicionalista Gaúcho e da Estância da Poesia Crioula, que é a Academia de Letras dos vates e prosadores nativistas gaúchos. Foi o autor da Oração a São Gabriel, Padroeiro das Telecomunicações: “Glorioso Mensageiro São Gabriel, padroeiro dos radioamadores, enquanto aquecem os filamentos, saúdo-te reverente modulando para ti meu primeiro QSO. Abençoa meu “chaque”, com toda a “tripulação”. Inspira-me ao microfone, a fim de que meu DX e QSO sejam proveitosos e sirvam, para, em espírito de fraternidade cristã, aproximar os homens. Defende-me em meio aos “estáticos” da vida, para que não enfraqueçam meus esforços e jamais entre em QRT no caminho do Bem. Ampara meus “torpedos”, para que recebam do Céu boa acolhida e pronta constatação. Faço o propósito de tratar aos outros assim como desejo ser tratado. Agradecido e em QRV para a Divina Providência. Amém.”

Também é de sua autoria a Prece do Gaúcho: “Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo e com licença, Patrão Celestial. Vou chegando, porque, enquanto cevo o amargo das minhas confidências, ao romper da madrugada e ao descambar do sol, preciso camperear por outras invernadas e repontar do céu a força e a coragem para o entrevero do dia que passa. Eu bem sei que qualquer guasca, bem pilchado, de faca, rebenque e espora, não se afirma nos arreios da vida, senão se estriba na proteção do céu. Ouve, Patrão Celeste, a oração que te faço, ao romper da madrugada e ao descambar do sol. Tomara que todo o mundo seja irmão! Ajuda-me a perdoar as afrontas e a não fazer aos outros o que não quero pra mim. Perdoa-me, Senhor, porque, rengueando pelas canhadas da fraqueza humana, de quando em vez, quase sem querer, eu me solto porteira-fora… êta, potrilho chucro, renegado e caborteiro… Mas eu te garanto, meu Senhor, quero ser bom e direito. Ajuda-me, Virgem Maria, primeira prenda do céu. Socorre-me, São Pedro, capataz da estância gaúcha. Pra fim de conversa, vou Te dizer, meu Deus, mas somente pra ti: que tua vontade leve a minha de cabresto pra todo sempre e até a querência do céu. Amém.”

Na cidade de Passo Fundo, numa iniciativa do tradicionalista Catarino Azevedo, em 07 de fevereiro de 1971, foi fundado o CTG “Dom Luiz Felipe De Nadal”. A justificativa do nome do Patrono do CTG estava no fato de ter sido ele o primeiro prelado a viver ativamente junto aos tradicionalistas, criando a “Missa Crioula” e a “Oração do Gaúcho”.

Rádio São Miguel em Uruguaiana, Fundada pelo 3° Bispo Dom Luiz Felipe de Nadal, a foi ao ar em caráter definitivo,às 20 horas e 17 minutos do Dia do Trabalhador de 1963, com a mensagem de sua Excelência Reverendíssima. Jesus Maria Macuco, consagrado técnico eletrônico, foi o responsável pela montagem da emissora.

http://www.portaluruguaiana.com.br/noticias/2010/04a/29/saomiguel_47/smiguel.html